sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

SOBRE AS TABELAS DE MEDIDAS


Por muitos anos, fui modelista freelancer para algumas confecções daqui de Recife. E uma das coisas que observei, é que as tabelas de medidas seguidas pelas confecções, dependia muito do manequim e da altura da dona, de algum parente próximo ou de alguma costureira como referência. Não é  fácil estabelecer um padrão de medidas no nosso país com essa incrível mistura de raças que nós temos e que cada região contêm influências anatômicas de países diferentes de quase todos os continentes.

As tabelas dependem também de cada mercado consumidor, por exemplo, uma confecção para adolescentes, para mulheres jovens ou para senhoras, o tamanho 40 pode não seguir a mesma metragem. Como falei acima, é muito particular, além de depender das folgas que cada modelo de roupa exige. Por isso que às vezes compramos roupas com manequins menores ou maiores do qual estamos acostumadas a comprar. Portanto, não se espante ao ver que a sua medida às vezes está correspondendo a um manequim que está uma ou duas vezes maior do que costuma ser o seu, porque agora você já sabe que depende de cada marca.

Todas as tabelas de medidas que aparecem nos sites diferem em algum ponto. Eu sempre gostei de usar a tabela da revista manequim para construir meus moldes, porque é a mais popular e acessível em todo Brasil. Mesmo assim quando crio ou copio alguma modelagem, dou algumas folgas extras “estratégicas” ou desvio alguns contornos em algumas medidas, porque a maioria dos modelos da revista ou todos, não sei, são feitos pela técnica conhecida como moulage,  em bustos de costura em que o peito é bem durinho e lá em cima, a cintura é bem fininha e nenhuma barriga, então as curvas de uma simples mortal não coincidem nunca.

A Abravest (Associação Brasileira de Vestuário) e a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas ) fizeram uma pesquisa para a normalização das medidas femininas, que está para sair agora em 2012 e mesmo assim é apenas para servir de base para as confecções e também por causa do aumento das vendas de roupas pela internet, para não precisar haver tanto equívoco e tanta troca nas lojas, além do que,  pode diminuir as visitas aos provadores. Tanto as numerações quanto os tamanhos P, M e G  serão trocados por informações nas etiquetas de todas as peças, como altura do indivíduo, cintura, comprimento do braço, etc. 

Enquanto a mudança não chega, ao comprar pela internet, observe os centímetros mais aproximados das suas medidas e não o manequim (38 a 64) ou tamanho (PP a EGG) apresentados nas tabelas. Aliás, nem ligue para isso, pois temos diferentes formas de corpo. Se a peça for inteira, compare sempre com a sua maior medida, ou do busto ou da cintura ou do quadril, para que a roupa fique confortável e tomara que ao vestir não precise de muitos ajustes. As confeccionadas em malha permitem maior moldagem ao corpo. E segundo os dados de uma pesquisa do Ministério da Saúde divulgados em abril de 2009 revelam que 43%  da população está com sobrepeso e 12,7% está obesa. Por isso o aumento no número de confecções para tamanhos grandes, ainda bem né? E não é só isso, as crianças estão cada vez maiores.

Então, olho nos centímetros das tabelas!

Espero que essas informações tenham sido úteis! 

Até a próxima! 


3 comentários:

  1. GIsa
    Muito legal as dicas, é bom saber dessas coisinhas...Valeu!
    Grata pela visita, volte sempre!
    bjokas
    Sheyla.

    ResponderExcluir

Costure algumas palavras!